Tem esse lance de continuar insistindo. Existindo. Essa coisa meio maluca de apostar no cavalo mais gordo. De comprar o ingresso pra ver o lanterna do campeonato jogar. Amor é o negócio mais doido. Uma parada indecente mesmo. Ficar em cima do buraco mais fundo, recusando-se a caminhar pra frente. Explicá-lo é garantir a passagem só de ida pro SUS. Os textos e textos. As linhas perdidas em prol do amor. Árvores destruídas. Essa náusea eterna. Aaahhhhh.

É o fígado de Prometeu. O eterno peso que, à duras penas, o coitado do bem amado carrega.

Coitado. ado. Caiu de cama. Viroseee? Não deixa de ser.

Não há como acertar. É a coisa mais maluca. Tem esse alguém. Um alguém qualquer. Chega. Arreganha os dentes. Arrepende-se. Volta. Vem. Vai. Vai. Vim. Vou. Vai. Ahhh.  Amo é isso – Entendeu? – É meio foda mesmo. Isso. Amor é isso. As fodas.

Fique boquiaberto. É a evolução das espécies. Fazer o quê? Tudo depende do amor. Essa pessoa, que já foi alguém, algo pra alguém, pra quê? Pra mim. Como vai nascer o próximo ser? O ser humano? Com amor e sem dor. Rima pobre.

Compre uma pipoca pra ela. No saquinho rosa listrado. Saquinho frágil.  Pipoca vermelha. Cor do amor.  Fique de mãos dadas. Olhe nos seus olhos. Agarre a cintura dela. Pega. Pega. Faça o bico do pato. Ande pra frente. Encoste-lhe a carne. Mostre-lhe a sensação. Os fogos de artifícios brilham atrás de ti. A roda gigante completa mais uma jornada. É mais um filme de amor que se acaba.

Submeter ele a vida. Ao tempo.

Tic. Tac. Tic. Tac.

Maldade dele. Uma peça de algum salvador. Amor e relógio. Taíii. Tá, aí um casamento que não deu certo. Mais um. Mais uma bebida, por favor. O tempo estragou-se. Foram os beijos e os abraços e as besteiras e os choros e os beijos e os beijos. Por que se foram?  Pra onde foram todos os beijos.

Essa loucura incontrolável. Sem ti, não haveria rima. Nem poesia. Não há como escapar. É inverossímil. Tudo meio desconexo. Maldade deles. A cabeça tá confusa. É um tumor. Desses benignos, relaxa, amor não mata ninguém. Isso a vida é que faz. Bonito ele. Pra onde será que vai. Deixa ele pra lá. Vem cá. Vou lá.

O amor vai escapar de você, moça.

De novo.

Entendeu? Amor é isso mesmo

Foto: Kyle Thompson