Falar de Deus está se tornando cada vez mais difícil nos dias de hoje.

Seja na escola, na faculdade, no trabalho, na própria família ou até mesmo dentro das igrejas, onde se encontram a maioria dos que se dizem fiéis, o nome de Deus incomoda. Muitos convergiram opiniões em torno da faixa usada pelo jogador Neymar após conquistar a medalha de ouro com a Seleção Brasileira de Futebol nas Olimpíadas no último sábado.

Uma faixa com a frase: 100% Jesus!

Não cabe neste momento discutir a fé do jogador Neymar, se seus atos dentro e fora de campo condizem com a faixa que ostentou em sua cabeça. O que vale refletir é como expressões religiosas têm incomodado.

Vale deixar claro, que segundo as regras das Olimpíadas, os atletas não podem manifestar qualquer tipo de propaganda política ou expressão religiosa. E regras são regras.

Agora o que vemos extrapola os limites desportivos.

Se você, seja criança, jovem ou adulto e expressa sua religião, suas crenças, seus costumes publicamente, logo percebe que tal manifesto provoca reações adversas.

Estamos em um período em que midiaticamente busca-se conotar às diversas expressões religiosas o caráter de serem disseminadoras de preconceitos e exclusão social. Pedofilia, homofobia, xenofobia, dentre outros.

O conservadorismo é colocado como situação política que impede o país de crescer.

Tudo é milimetricamente arquitetado para que acreditemos que Deus é uma invenção humana, fruto de uma época em que o homem cientificamente não era capaz de compreender-se, explicar-se, curar-se. Então com sua evolução e os inesgotáveis avanços científicos e tecnológicos o ser humano tem se tornado deus de si mesmo. Em outras palavras, não precisa mais de Deus, pois se tornou capaz de criar, recriar, construir e destruir. Viver e sobreviver, apenas com o fruto de seu esforço.

Para quem não acredita, Deus, portanto, não passa da manifestação de fraqueza humana.

Há neste ponto, algo que ateus e crentes concordam. Deus é a manifestação da fraqueza humana.

Por que só quem se considera fraco, submete-se a Deus. Pois crê que dele vem sua força. Que Deus é a própria força que o sustenta pela fé.

Um argumento de quem não acredita em Deus é refutá-lo, através de sua ausência .Sendo  que para quem crê, Deus é essencialmente inexplicável, e na sua ausência está realmente sua presença. Nisto consiste a fé, crer naquilo que não se vê.

O que devemos por fim refletir é, quais são os danos causados à sociedade por quem crê e manifesta sua crença em Deus? Será que realmente causam algum mal?

 

Imagem em destaque: CPAD News