Nunca soube me apresentar. Os primeiros dia de aula sempre foram uma tortura pra mim. Fingia estar doente. Implorava para a minha mãe me deixar em casa. Nunca dava certo. Quando dava, no dia seguinte, tinha que me apresentar sozinho. Era pior. Não gosto muito de me descrever para as pessoas. Sempre fui calado. Posso escrever páginas e páginas sobre alguma história, contos, crônicas, reportagens. Mas quando vou falar de mim, travo no primeiro parágrafo. Estou há meia hora nesse aqui. Mas, tudo bem, não vou fingir estar doente para não escrever esse texto. Vou me apresentar.

Lendo o parágrafo acima percebi que já descrevi minha principal característica. Sou introvertido, sempre fui. Lembro-me dos momentos mais angustiantes de querer falar, mas não conseguir. Mas também dos mais divertidos ao observar as pessoas tropeçando nas palavras e nas hipocrisias, acotovelando-se nas incertezas, enquanto eu as observava. Hilário.

Pronto, outra característica minha: adoro observar. Percebo tudo. Cada minúcia do cotidiano é divertida pra mim. Cada cacoete, expressão e vírgula da vida, pra mim, merecem ser observadas. Falar não é muito comigo. Mas, apesar disso, faço jornalismo na Universidade Estadual de Londrina. E também sou de São Paulo. Tenho 19 anos. Namoro há dois. Escrevo há uns cinco. E, sinceramente é isso que faço. Jorrei as principais informações sobre mim. No meio do texto. Espero que nem todo mundo aguente ler até aqui.

As pessoas dizem que sou muito irônico também. Eu acho que não, mas talvez. Se sim, a literatura me deu isso. Com certeza. A, claro, eu sou um aficionado por literatura. É um dos únicos assuntos que me agita e me faz falar pelos cotovelos. Além de literatura, eu amo cinema e escrever. Só. Eu escrevo mais do que falo. E os momentos que sinto mais calmaria na vida é quando jogo as minhas ideias na tela do computador. Escrever sempre vale a pena pra mim. Não escrever é sempre um desperdício. Por isso, preparam-se, aqui é o meu mais novo espaço para escrever, escrever, escrever…

Aqui em Londrina, estou longe das pessoas que fazem minha vida valer a pena: minha família. E a cada página que viro dos meus livros eu sinto falta deles. Mas, não estou sozinho. O grupo dos cinco, cada um deles, faz com que eu me sinta melhor aqui na cidade. Eles são as melhores pessoas que alguém poderia conhecer e antes que isso fique piegas demais, digo que vocês vão adorar cada um deles. Estou muito empolgado com esse projeto porque, além de estar entre amigos, vou ter um espaço para discutir o que mais gosto com vocês. Eu sou apaixonado por crônicas, resenhas de livros e filmes e, principalmente, por ficção. Acredito que escrever contos, criar histórias, seja a minha vocação. Preparam-se para muitos contos de minha autoria.

Espero que vocês gostem do nosso espaço. Estamos nos esforçando e dando o nosso melhor para fazer algo legal e enriquecedor para vocês. Somos cinco amigos, aspirantes a jornalistas, loucos para contar histórias e criar algumas também. Fiquem aqui e chamem mais pessoas para nos conhecer. Encontro vocês no próximo texto.